quarta-feira, 15 de junho de 2011

REI MOMO

Até o final do século XIX, falava-se no Deos Momo, um personagem que perdeu sua condição divina, tornando-se humano e transformando-se em rei.

Na mitologia grega, Momo é o filho do Sono e da Noite, o deus da festividade. Alegre, descontraído, zombeteiro, irreverente, sarcástico e satírico, tinha o hábito de ridicularizar os outros deuses, sendo por isso expulso do Olimpo e despachado para a Terra.

Era representado por um jovem retirando a máscara, exibindo um rosto zombeteiro e sacudindo guizos, segurando um estandarte da folia, razão da sua existência.

Posteriormente, passou a ser representado com uma roupa semelhante a do monarca francês Luiz XIV, conhecido como o Rei Sol.
Há registros históricos sobre a existência de reis Momos antes da era cristã. No século 4 a.C., gregos e romanos já incorporavam essa figura mitológica em algumas de suas festas comemorativas, principalmente as orgias, envolvendo sexo e bebidas. Momo era gordo para simbolizar fartura e a abundância.

Na Roma Antiga, anualmente, havia grandes festas em homenagem ao deus do tempo, Saturno, as chamadas saturnais, das quais participavam pessoas de todas as classes sociais, de nobres a escravos.  Durante a realização da festa, escolhia-se o mais belo soldado e concedia-lhe a coroa de Rei Momo, o que lhe permitia beber, comer e brincar a vontade, sem nenhum tipo de limite. Terminada a festa, ele era conduzido solenemente para ser sacrificado ao deus Saturno.

Historicamente, o palhaço, artista de circo e cantor mineiro Benjamim de Oliveira foi o primeiro Rei Momo coroado no Brasil, em 1910. No entanto, o personagem só passou a ser conhecido como o comandante do carnaval no Rio de Janeiro, em 1933. Um cronista esportivo do jornal carioca A Noite apresentou aos carnavalescos um boneco de papelão, sugerindo que ele desfilasse pela cidade como o comandante da folia. Depois foi colocado em um trono para presidir simbolicamente as comemorações carnavalescas daquele ano.

Posteriormente, os proprietários do jornal resolveram criar um Rei Momo de verdade. Foi escolhido o gordo chefe da seção de turfe da empresa, o jornalista Moraes Cardoso. Vestido como um rei desfilou pelas ruas do Rio de Janeiro sendo saudado com muito confete, serpentina e lança-perfume.

O “reinado” de Moraes Cardoso durou até a sua morte, em 1948. Seus substitutos, até o ano de 1967, eram escolhidos por agremiações carnavalescas e jornalísticas. A partir de 1968, a eleição do Rei Momo no Rio foi oficializada por lei estadual e, em 1988, por lei municipal.

Em 1934, foi eleito o primeiro Rei Momo paulista, na cidade de Santos: o boêmio, esportista, cantor e carnavalesco Eugênio de Almeida, conhecido pelo apelido de Tosca.

Em Pernambuco, o primeiro concurso de Rei Momo aconteceu no carnaval recifense em 1965.

Em fevereiro de 1963, a Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes de Santos promoveu a I Convenção Nacional de Reis Momos, reunindo naquela cidade representantes dos estados de Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Maranhão e São Paulo. Em sessão plenária, foram discutidos assuntos como a dignidade do personagem e a padronização do seu traje. A II Convenção Nacional também foi realizada em Santos, no ano de 1966, contando com a participação dos reis Momos que estiveram presentes na I Convenção e mais os representantes dos estados do Pará e do Rio Grande do Norte.

Hoje, em algumas cidades brasileiras, não é necessário mais ser gordo para participar do concurso. Para não estimular a obesidade foi retirado esse requisito, privilegiando outros critérios como a capacidade de comunicação, alegria, simpatia e irreverência. Em 2004, a Prefeitura do Rio de Janeiro resolveu não mais exigir um peso mínimo para os candidatos.

Após muita polêmica, e contrariando a tradição, o comerciante Clarindo Silva de Jesus foi coroado Rei Momo da cidade de Salvador, Bahia, em 2008, pesando apenas 58 quilos.
Em 2011, a Prefeitura do Recife decidiu acabar com o concurso de Rei Momo tradicionalmente realizado no Pátio de São Pedro. Os candidatos a rei e rainha do carnaval recifense serão escolhidos durante o Baile Municipal do Recife. Ser gordo não é mais um critério exigido para ganhar o concurso de Rei Momo. Para a Prefeitura, a saúde das pessoas deve estar acima das tradições culturais, não se devendo estimular práticas que coloquem em risco a vida das pessoas.

O atual Rei Momo do Carnaval do Recife, eleito quatro vezes, é o coreógrafo Ivanildo Silva, que em 2010, pesava 178 quilos.

FONTE: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PORTAL OESTE NEWS

PORTAL OESTE NEWS
A MAIOR FONTE DE INFORMAÇÕES ANTIGAS E ATUAIS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – A SUA ENCILOPÉDIA DIGITAL NA INTERNET, COM 12 BLOGS, 875 LINKS, DOIS ORKUTS, UM TWITTER, UM MSN E UMA PÁGINA MUSICAL, TOTALIZANDO ASSIM 892 PÁGINAS NA WEB. CRIADO A 28 DE DEZEMBRO DE 2008, PELO STPM JOTA MARIA, COM A COLABORAÇÃO DE JOTAEMESHON, JULLYETTH BEZERRA E JOTA JÚNIOR. @@ MOSSORÓ-RN

Quem sou eu

Minha foto
SUBTENENTE DA RESERVA REMUNERADA DA GLORIOSA E AMADA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO RIO GRANDE DO NORTE E PERTENCENTE A GUARDA PATRIMONIAL DO ESTADO, NO EFETIVO DO DESTACAMENTO DA GUARDA PATRIMONIAL DE MOSSORÓ. SOU MOSSOROENSE E AMO AS COISAS DE MINHA QUERIDA E AMADA CIDADE DE MOSSORÓ - FUTURA METRÓPOLE, SOU TORCEDOR DO MEU QUERIDO E AMADO BARAÚNAS. EXERCI A FUNÇÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA NAS CIDADES DE APODI, ITAÚ, FELEIPE GUERRA, SÃO MIGUEL, DR. SEVERIANO, GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO, RODOLFO FERNANDES, TENENTE ANANIAS, MARCELINO VIEIRA E SEVERIANO MELO. SOU CASADO, PAI DE TRÊS FILHOS: JOTAEMESHON WHAKYSHON, JULLYETTH BEZERRA E JOTA JÚNIOR. TENHO UMA NETA - JÚLIA MELISSA, FILHA DE JULLYETTH E MOISÉS. AMO A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AMO AO MEU PRÓXIMO COMOA MIM MESMO, TENHO A MANIA DE PESQUISAR, LER E ESCREVER. SEMPRE PROCURO SER HONESTO E TENHO A HUMILDADE COMO MINHA PRINCIPAL ARMA PARA A MINHA FELICIDADE